quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

TRAGÉDIA EM SANTA MARIA

MOMENTO DE MISERICÓRDIA E COMPAIXÃO E NÃO DE REPREENSÃO

O incêndio na boate em Santa Maria chocou milhões de brasileiros pela quantidade de vidas perdidas e pelo sofrimento das famílias enlutadas.
Um questionamento recorrente, quando do advento de tragédias, é feito pelas pessoas inconformadas: onde estaria Deus?
A reação de muitas pessoas é a busca pela compreensão do motivo que teria convencido Deus a permitir a tragédia. Outros, em sua dor, O culpam por omissão.
“Na ocorrência de tragédias devemos resistir à tentação de procurar respostas que diminuem a bíblica soberania e majestade de Deus, e consequentemente não fazem justiça à sua pessoa, ou aquelas que nos colocam com Deus [...] Tais ‘explicações’, ‘conclusões’ e ‘construções’ aparentam ser plausíveis, mas revelam-se meramente humanas, pois contrariam a revelação das Escrituras. Esses tipos de respostas sempre aparecem, quando ocorrem desastres; quando diversas vidas são ceifadas e pessoas que estavam entre nós desaparecem, de uma hora para outra. Interpretações estranhas dessas circunstâncias não são novidade e nem têm surgido apenas em nossos dias”, conceitua o escritor e mestre em teologia Solano Portela, no blog O Tempora, O Mores.
Aprofundando o ponto levantado por Portela, o pastor e missionário Leonardo Gonçalves lembra que a Bíblia estabelece não apenas a soberania divina, mas também a responsabilidade humana, embora esse fato apresente-se ao ser humano como paradoxo.
O importante, segundo Gonçalves, é saber que o sofrimento não é ignorado: “Jesus sempre se posicionou ao lado dos sofredores. Creio que em momentos assim, devemos recordar este fato. Jesus se interessa em nosso sofrimento, pois ele mesmo experimentou na carne o que é sofrer. Ele é empatico à nossa dor”, escreveu no Púlpito Cristão.

Hélio Pariz, do blogO Contorno da Sombra, entende que apesar da morte e miséria constatadas na tragédia, a bondade foi manifestada no gesto de “apoio” e de “comoção nacional em torno do fato, o que torna todos nós muito mais próximos, muito mais humanos”.
Aos “abutres”, que exploram a dor como arma de acusação, Pariz afirma que “compaixão é o mínimo que se espera num momento de dor e luto como esses. Se não for possível sentir compaixão, que pelo menos prefiram o silêncio aqueles que querem respeitar os milhares de pais, avós, amigos e parentes dos jovens que morreram”.
O escritor e colunista do Gospel+Daniel Simoncelos publicou um artigo lembrando que o ser humano, por sua natureza, não aprende a lidar com a separação pela morte.
“Diante dessas situações querer emitir juízo de valor, atribuir culpa a Deus, ou dar lição de moral é simplesmente mostrar quão sub-humanos estamos e insensíveis à dor do nosso próximo. Cabe a nós apenas chorar com os que choram, nos compadecer e estar presentes na medida do possível. A tragédia acontecida na boate Kiss foi uma fatalidade e nada mais a dizer ou refletir. Todos morreremos. Todos teremos que nos apresentar diante de Deus. Porém não estamos preparados para a morte. Não fomos criados para isso”, escreveu.
Sobre a emissão de juízo, Simoncelos lembra que os que enxergam punição na tragédia necessitam rever os princípios de fé: “Aqueles que dirão que é Juízo de Deus, provavelmente pensam ser mais santos e mais merecedores do amor e graça de Deus. Porém estes são a pior raça de ser humano, pois são aqueles que estão prontos para julgar e não são misericordiosos, revelando que não são seguidores de Jesus, tampouco longânimos”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário