quinta-feira, 6 de junho de 2013

Evangélicos pedem explicações sobre campanha para prostitutas do Ministério da Saúde

O ministro Alexandre Padilha afirma que o material não fora aprovado e demite funcionário que divulgou a campanha na internet.

Evangélicos pedem explicações sobre campanha para prostitutas do Ministério da SaúdeEvangélicos pedem explicações sobre campanha para prostitutas
A bancada evangélica cobrou nesta terça-feira (4) explicações do Ministério da Saúde sobre a campanha voltada para as prostitutas que foi lançada pela internet.
Em uma das peças publicitárias há uma frase que diz: “Eu sou feliz sendo prostituta”. A frase foi considerada pelo deputado Marcos Rogério (PDT-RO) como uma apologia à prostituição. “O que o governo faz é um crime, é apologia à prostituição. O governo está patrocinando um crime ao defender essa conduta”, disse ele.
Quem também é contra este tipo de campanha é a deputada Liliam Sá (PSD-RJ) que não acredita que uma mulher possa ser feliz sendo explorada sexualmente, classificando a campanha como um “desfavor à sociedade”.
O deputado João Campos (PSDB-GO) se manifestou sobre o assunto fazendo críticas ao governo de Dilma Rousseff e à falta de atenção com os valores da família. “Esse é um governo que não preza pelos valores da família”, disse ele. De forma irônica, o deputado evangélico diz que as próximas campanhas financiadas pelo governo terão como tema o adultério, o incesto e a pedofilia.
A campanha foi lançada durante o final de semana para comemorar o “Dia Internacional das Prostitutas”, o tema central era pedir respeito às prostitutas e alertar sobre doenças sexualmente transmissíveis, porém nenhuma das três frases postadas em cartazes diferentes falam sobre o tema. Além de “sou feliz sendo prostituta” a campanha exibia outras duas frases: “não aceitar as pessoas da forma como elas são é uma violência” e “o sonho maior é que a sociedade nos veja como cidadãs”.
Ao falar sobre as peças divulgadas por sua pasta, o ministro Alexandre Padilha recuou dizendo que o material precisava ser aprovado e para mostrar que não tinha relações com a divulgação do material, demitiu o diretor da campanha.
O funcionário demitido é Dirceu Greco, diretor do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Doenças Sexualmente Transmissíveis, Síndrome da Imunodeficiência Adquirida e Hepatites Virais do ministério. Sua demissão foi anunciada nesta quarta-feira (5) no Diário Oficial da União sendo justificada pela veiculação do material sem a autorização do setor de Comunicação Social da pasta da Saúde.

Um comentário: