terça-feira, 14 de julho de 2015

Ex-alcoólatra se torna pastora “boca suja” e abre igreja para pessoas que se sentem excluídas




Ex-alcoólatra se torna pastora “boca suja” e abre igreja para pessoas que se sentem excluídas
“Eu era uma drogada”. Assim Nadia Bolz Weber resume sua condição de vida antes de se encontrar e achar respostas para suas inquietações no Evangelho. Considerada uma pastora alternativa, Nadia tornou-se um símbolo da controvérsia, mas vê seu ministério crescer à frente de uma congregação da Igreja Luterana em Denver, Colorado (EUA).
De acordo com a rede BBC, Nadia é uma pastora desbocada que “não pode ser descrita como piedosa”. Durante seus sermões, é franca sobre seu passado promíscuo e admite que tem falhas de caráter. Conta também histórias que são engraçadas, cheias de palavras politicamente incorretas e até autodepreciativas.
“Tive uma educação religiosa muito severa. Fundamentalista, legalista, sectária”, diz a pastora, que foi criada pela família na Igreja de Cristo.
Na adolescência, quando se afastou da comunidade de fé, encontrou seu apetite para as circunstâncias de risco: “Fui apenas uma garota que não se adaptava. Estava com muita raiva. Essa raiva me protegia, me salvava de uma maneira – até que eu adicionei drogas e álcool a esta mistura que quase me matou!”, admite.
Segundo Nadia, em certo ponto de sua vida ela “estava perfeitamente feliz com a ideia de que estaria morta aos 30 anos” por tanto abusar de drogas e álcool. Mas, o suicídio de seu melhor amigo, PJ, a levou a refletir sobre suas escolhas.
Durante o funeral, Nadia – que era conhecida como a única entre “acadêmicos, estranhos e alcoólatras em recuperação” que acreditava em Deus – foi convidada a discursar: “Olhei para fora e pensei: ‘Estas são minhas pessoas e elas não têm um pastor – e talvez eu realmente tenha sido chamada para ser uma pastora para o meu povo'”, disse.
Desse ponto em diante, Nadia resolveu frequentar um seminário luterano, e depois de pronta, resolveu que fundaria a igreja chamada de Casa para Todos os Pecadores e Santos, com o propósito de levar o Evangelho a outros excluídos: “Tive que começar uma igreja a qual gostaria de frequentar, basicamente porque eu raramente tinha ido a alguma que eu gostava”.
Quando estava para se formar, ela procurou o bispo para dizer que, se ela fosse designada para dirigir uma congregação comum, isso traria problemas: “Na verdade, disse ao meu bispo em algum momento durante o processo, ‘Olha, você poder me colocar numa paróquia nos arredores de uma pequena cidade, mas você e eu sabemos que seria ruim para todos os envolvidos… Então por que não começar uma?’ Ele disse: ‘Sim, essa parece uma ideia melhor’”.

Hoje, um terço de sua congregação é gay, lésbica ou transgênera. E ela comemora isso, dizendo que o propósito está sendo cumprido. Nadia, que pessoalmente se diz sem paciência para os debates sobre a homossexualidade, celebra casamentos entre pessoas do mesmo sexo.
Ela se tornou conhecida por sua autobiografia. No livro “Pastrix: The Cranky Beautiful Faith of a Sinner and Saint” (“Pastrix: a crença bela e doentia de uma pecadora e uma santa”, em tradução literal), repleto de palavrões e que se tornou um best-seller, ela conta muito de sua vida, e por isso, virou uma palestrante procurada nos EUA – e fora do país – para contar seu testemunho em igrejas evangélicas tradicionais, entre outras. “Isso não é divertido? Que eles podem nunca ter convidado uma mulher pregadora e, em seguida, convidam uma que sou eu?! É como se eles tivessem ido de zero para 60″, comemora.

sexta-feira, 10 de julho de 2015

Evo Morales dá crucifixo em forma de foice ao papa e causa polêmica na internet



Presente reproduziria objeto criado por jesuíta espanhol morto em 1980 por paramilitares contrários às suas lutas sociais

A cruz em forma de martelo e foice entregue nesta quinta-feira (9) ao papa Francisco por Evo Morales, presidente da Bolívia, seria uma reprodução do objeto criado pelo jesuíta espanhol Espinal, morto em 1980 por paramilitares contrários às suas lutas sociais.



Crucifixo em forma de foice e martelo, símbolos do comunismo, garantiu a Evo Morales um salto para o quinto lugar nos trending topics do Twitter
Reuters
Crucifixo em forma de foice e martelo, símbolos do comunismo, garantiu a Evo Morales um salto para o quinto lugar nos trending topics do Twitter

A imagem se espalhou pelas redes sociais como um furacão e dividiu internautas entre os que consideraram o presente pertinente, dada a homenagem que Francisco fizera na véspera ao colega jesuíta Espinal, e os que avaliaram o gesto como "blasfêmia" ou falta de respeito.

O papa também presenteou o presidente boliviano: suas escolhas foram um mosaico que reproduz um ícone bizantino de virgem Maria com o Menino Jesus e uma cópia da encíclica "Laudato se" ("Louvado seja"), em que discorre sobre ecologia.
Na chegada ao país, na tarde desta quarta-feira, o pontífice elogiou a política boliviana e disse que o país "integra os diferentes" e "faz dessa integração um novo fator de desenvolvimento". Em clima de cordialidade, Evo, por sua vez, referiu-se a Francisco como "amigo Papa".
A visita é parte da viagem do papa à América do Sul - ele já passou pelo Equador e termina a visita no Paraguai.
Tiroteio
O crucifixo em forma de foice e martelo, símbolos do comunismo, garantiu a Evo Morales um salto para o quinto lugar nos trending topics (assuntos mais comentados) do Twitter no Brasil.


sexta-feira, 3 de julho de 2015

Transexual da parada gay toma ‘lambada’ da justiça


Ela pede identificação de pessoas e quer que políticos e artistas paguem R$ 800 mil de indenização. Mas contra o senador Magno Malta ela já perdeuEla pede identificação de pessoas e quer que políticos e artistas paguem R$ 800 mil de indenização. Mas contra o senador Magno Malta ela já perdeu

Criticada após ser “crucificada” durante a 19ª Parada Gay, a atriz e transexual Viviany Beleboni entrou na Justiça de São Paulo com processo contra o Facebook para obrigar a rede social a identificar usuários que, após o desfile, publicaram montagens de fotos dela em meio a imagens de sexo explícito. Ela também abriu sete processos em que reivindica indenização por danos morais no valor total de R$ 800 mil. Porém, já perdeu um contra o senador Magno Malta (PR-ES).


‘Lambada’ da justiça
Na ação contra Malta, o juiz Marcos Roberto de Souza Bernicchi indeferiu o pedido antecipando a decisão. “Claramente o objetivo da pessoa que se dispõe a se postar em uma cruz em uma manifestação popular é de chamar a atenção por meio [de] atitude controversa e chocante. E o objetivo da artista foi alcançado, já que o choque gerou a controvérsia. Não poderia a autora esperar reação outra que não fosse a intolerância de quem assumiu o risco de ofender”, disse o juiz, no despacho.
“As manifestações do réu, que constam da petição inicial, não foram exacerbadas contra a autora, já que não atingiram sua pessoa e sim o ato por ela praticado. O conteúdo das críticas manifestadas pelo réu tem cunho político e social, que são inerentes ao cargos que exerce, e, repita-se, em nenhum momento voltou-se contra a pessoa da autora. Indefiro, pois, a tutela requerida”, afirmou.
O senador Magno Malta afirmou, por meio de sua assessoria, que recebeu com naturalidade a informação sobre a ação judicial por entender que é direito de Beleboni entrar na Justiça, assim como também é direito dele, senador, falar.
O senador acrescentou que não retira nenhum ponto do que falou e que entrou com uma queixa-crime na Procuradoria Geral da República contra a transexual por crime de vilipêndio, escárnio e intolerância religiosa.

Fonte: Verdade Gospel