quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Pastor Saeed Abedini conta que a oração foi sua arma na prisão: “Orava até 20 horas por dia”

O pastor Saeed Abedini falou pela primeira vez após desembarcar nos Estados Unidos, e contou que a oração foi sua aliada para suportar as torturas e privações a que foi submetido no tempo em que foi mantido preso no Irã.

Em entrevista à emissora Fox News, Abedini contou que, ao longo dos mais de três anos que foi mantido na cadeia, as autoridades iranianas tentaram fazê-lo assinar confissões de crimes que ele não havia cometido, mas ele se recusou todas as vezes.


“Em um dos interrogatórios, eles me espancaram com muita força”, disse, referindo-se ao dia em que terminou com uma hemorragia estomacal. A tortura física era acompanhada também de pressão psicológica, pois os carrascos diziam que ele seria espancado até a morte, e se sobrevivesse, quando fosse liberado ainda seria acompanhado de perto pela polícia.

Questionado sobre os motivos que o levaram a ser preso no Irã, Abedini reiterou que não haviam razões além de sua fé e seu trabalho social/missionário no país. Mesmo agora, o governo sustenta que o pastor estaria usando “o cristianismo para tentar prejudicar a nação do Irã” através de espionagem para os Estados Unidos.


Revelando detalhes dos anos na prisão, Abedini frisou que a forma que encontrou para fazer o tempo passar foi orar, já que os guardas não permitiam seu acesso a livros ou qualquer outra coisa que o mantivesse entretido. “A cada dia, por horas e horas, às vezes mais de 20 horas, só orava. A melhor coisa que eu podia fazer ali era orar”, revelou.

O pastor atualmente está em uma instalação da Associação Evangelística Billy Graham, que é considerado uma espécie de retiro, onde está se readaptando à vida em liberdade, na companhia dos familiares, e com todo apoio necessário.


A repórter que entrevistou o pastor, Greta Van Susteren, afirmou que nos próximos dias irá apresentar novos trechos da conversa, onde Abedini revelará maiores detalhes de sua prisão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário